A história de "Ray" Zeng e alguns milhões em tênis falsificados

A história de "Ray" Zeng e alguns milhões em tênis falsificados

Por RODRIGO DHAKOR

Por Rodrigo Dhakor

Um grupo internacional de falsificação enviou centenas de milhões de dólares em tênis falsificados para os Estados Unidos, usando uma elaborada rede de nomes fictícios de empresas, papéis, documentos e endereços de e-mail falsos. Isso está de acordo com uma queixa federal, que diz que os calçados falsos da Nike e da Louis Vuitton valeriam mais de US $ 472 milhões se fossem reais.

Foi um fracasso maior que o normal para as autoridades americanas, que interromperam várias operações de falsificação de tênis nos últimos meses. No ano passado, os federais estouraram um esquema de falsificação em Nova York que, segundo eles, contrabandearam 385.280 pares falsos de Air Jordans para o país, potencialmente custando à Nike mais de US $ 70 milhões em receita perdida. 

Em outubro, agentes federais prenderam um homem no Queens que, segundo investigação, enviou mais de US $ 5 milhões em botas falsas Timberland e da Ugg da China para Nova York. No mesmo mês, oficiais da Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP) dos EUA interceptaram 14.806 pares de Air Jordans falsificados, que valeriam US $ 2,2 milhões, se fossem genuínos. As vendas mundiais de produtos imitáveis ultrapassaram US $ 520 bilhões no ano passado, representando 3,3% de todo o comércio global.

(Getty Images / Tommaso Boddi)

"As pessoas geralmente cometem o erro de acreditar que a compra de itens falsificados é um crime sem vítimas", disse uma autoridade do CBP. "No entanto, esses itens costumam financiar organizações criminosas nacionais e transnacionais e custam bilhões de contribuintes".

Toda mercadoria apreendida entre fevereiro de 2012 e dezembro de 2016, foram atribuídas a um único réu, identificado como Qing Fu "Ray" Zeng. A acção de sua rede apareceu pela primeira vez no radar da polícia em fevereiro de 2012, quando oficiais do CBP da área de Nova York apreenderam um contêiner carregado com tênis falsificados vindos da China. O CBP realizou 16 apreensões idênticas nos outros anos - é claro que números desconhecidos entraram no país sem serem detectados.

(Getty Images / Tommaso Boddi)

Finalmente, em outubro de 2018, os investigadores assumiram uma liderança crucial. Foi quando um réu não identificado que se declarou culpado de falsificação federal começou a fornecer informações aos agentes da Homeland Security Investigations (HSI), na esperança de obter uma sentença mais branda. Essa pessoa, nomeada nos autos do processo apenas como "CD", por "réu colaborador", deu ao HSI um número de telefone para alguém que chamou Ray. 

Os investigadores verificaram o número em um banco de dados do governo e descobriram que ele correspondia a um enviado de pedido de visto de turista americano de 2017 enviado por um cidadão chinês chamado Qing Fu Zeng.

No requerimento, Zeng forneceu um endereço em Shenzhen, Guangdong, China e alegou que ele era o gerente geral adjunto de uma empresa de investimentos chamada Shenzhen Andreusen Investment Co. Ltd. Nenhuma autoridade conseguiu encontrar uma empresa com esse nome listada em registros públicos.

Entre todas idas e vindas e de acordo com os detalhes incluídos nos processos judiciais, Zeng voou de Seul para Las Vegas, em 4 de dezembro. Os promotores norte-americanos registraram uma queixa criminal em 6 de dezembro, mantendo-a em segredo para que Zeng não descobrisse e fugisse do país. Em 27 de dezembro, agentes federais o prenderam quando ele desceu de um vôo no aeroporto de Dulles, nos arredores de Washington, DC.

O caso foi arquivado pela primeira vez na Virgínia, onde Zeng foi preso, mas agora está sendo transferido para o Distrito Leste de Nova York, disse Geremy Kamens, advogado nomeado pelo tribunal que representou Zeng em sua audiência inicial.