Adidas recebe mensagem de racismo dentro da organização e Nike afirma que fará melhorias

Adidas recebe mensagem de racismo dentro da organização e Nike afirma que fará melhorias

Por RODRIGO DHAKOR

Em meio aos protestos que exigem justiça para as causas e direcionantes ligadas ao caso de George Floyd, várias marcas divulgaram declarações nas quais alegavam ser contra o racismo e a brutalidade policial.

A Adidas foi uma das marcas que se opôs à injustiça ao divulgar sua própria declaração e até mostrou alguma solidariedade a sua concorrente, a Nike. No entanto, a diretora assistente de vestuário da Adidas, Julia Bond, enviou recentemente uma mensagem para a marca, abordando sua necessidade de mudança.

Julia afirma que a Adidas promoveu um ambiente de trabalho racista ao longo dos anos e que numerosos incidentes racistas não foram controlados. "Minha existência nesta marca é elogiada pela diversidade e inclusão, mas quando olho em volta, não vejo ninguém acima ou ao redor que se pareça comigo", dizia a mensagem. "Não suporto mais a complacência consistente da Adidas em tomar medidas ativas contra um ambiente de trabalho racista. Isso não é normal", ressalta.

(Foto Reuters / Andreas Gebert)

De acordo com a Footwear News, um grupo de cerca de 13 funcionários, representando outros 150 colegas, formaram uma coalizão com o objetivo de pressionar a gerência sênior na Alemanha a apoiar melhor a comunidade negra, interna e externamente. 

O grupo produziu e entregou um documento de 32 páginas, intitulado "Nosso estado de emergência", para os gerentes da Adidas na América do Norte, incluindo o presidente Zion Armstrong

O documento apresenta quatro grandes questões: "investir em seus funcionários negros; investir na comunidade negra; investir na luta pela justiça racial e nas mudanças para os negros; e demonstrar responsabilidade". 

E eles foram detalhados, apresentando metas, KPIs (forma de comunicação entre o corpo de gestores de uma empresa e seus liderados, comunicando o desempenho de um processo ao longo de um período) e prazos para muitas de suas solicitações. Por exemplo, o grupo está pedindo à Adidas que atinja 31% de representação dos funcionários negros e latinos em todos os níveis da organização até 31 de Dezembro de 2021. O grupo também estabeleceu um prazo final para a última sexta-feira para um DCA interno do seu compromisso, além de um "anúncio na mídia global" em 19 de Junho.

A Adidas respondeu aos conflitos internos com a declaração abaixo.
"Estamos ouvindo. Reconhecemos que não fizemos o suficiente e nos dedicamos a fazer mais. Estamos perto de finalizar nossos compromissos para garantir que nossos funcionários, principalmente nossos funcionários negros, sejam ouvidos, apoiados e envolvidos em soluções. Estamos trabalhando em estreita colaboração com o grupo de recursos dos funcionários Progressive Soles e uma coalizão de líderes negros, e estamos unidos no progresso. Juntos, estamos estabelecendo metas quantificáveis, focadas em ação imediata e impacto a longo prazo, interna e externamente. Nós nos responsabilizaremos pelas mudanças. Acreditamos firmemente que juntos é a única maneira de avançar". 

A Adidas acrescentou que está em conversa com os funcionários "para entender e respeitar a gama de emoções pelas quais todos estão passando" e que todos os líderes da América do Norte e da Alemanha participaram de sessões educacionais para aprender como liderar melhor com as "atuais" agitações.

Por fim, a empresa declarou que sua plataforma de doações on-line, DEED, oferece a oportunidade de conciliar 200% das doações de funcionários para apoiar organizações que estão trabalhando na linha de frente do anti-racismo e trabalhando ativamente para apoiar nossas comunidades negras.

(Foto Getty Images)

De acordo com a Footwear News, uma atualização dos planos da Adidas estará disponível primeiro para os funcionários e depois para o público nas próximas semanas. 

"A Adidas mostrou que existe uma alta tolerância ao racismo", afirmou Bond. 

A Adidas se recusou a falar sobre essas alegações.

Do outro lado, o CEO da NikeJohn Donahoe, enviou um email aos funcionários na sexta-feira (06) sobre os protestos que assolaram o país, observando que a empresa deve consertar suas próprias condutas nas operações.

"Enquanto nos esforçamos para ajudar a moldar uma sociedade melhor, nossa prioridade mais importante é arrumar nossa própria casa", compartilhou Donahoe. 

"A Nike precisa ser melhor que a sociedade como um todo [...] Embora tenhamos feito alguns progressos nos últimos dois anos, ainda temos um longo caminho a percorrer", salientou.

(Foto Getty Images)

A Nike foi criticada no passado por falta de inclusão e diversidade, incluindo má conduta no local de trabalho em relação às mulheres. Em 2018, o então presidente da marca, Trevor Edwards, renunciou devido a uma má conduta no local de trabalho. 

Um relatório de diversidade de 2019 no site da Nike mostrou anteriormente que, em 2019, 21,6% da força de trabalho da empresa era composta por negros ou afro-americanos, abaixo dos 23,5% de 2017. No entanto, em 2019, apenas 4,8% dos diretores da empresa e 9,9% dos vice-presidentes eram negros ou afro-americano.

Donahoe acrescentou que os funcionários da empresa expressaram demandas por progresso, especialmente nas últimas semanas. "Conhecemos o Black Lives Matter ", disse Donahoe na sexta-feira. "Devemos nos educar mais profundamente sobre os problemas enfrentados pelas comunidades negras e entender o enorme sofrimento e a tragédia sem sentido que o fanatismo racial cria".

A empresa revelou recentemente que doaria US $ 40 milhões em quatro anos para apoiar comunidades e iniciativas negras, que seriam lideradas pelo presidente da Jordan BrandCraig Williams, fora o anuncio recente de Michael Jordan, com a promessa de US $ 100 milhões em apoio às comunidades negras nos próximos 10 anos.

No Brasil, o racismo também é um problema estrutural, mas a postura das marcas é distinta. Um levantamento feito pela Exame, com base na lista da consultoria Interbrand das 25 marcas mais valiosas do Brasil, mostra que nenhuma delas fez publicações sobre o tema nas últimas duas semanas. O período inclui o assassinato de João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, durante operação policial em São Gonçalo, no Rio de Janeiro.

Algumas das marcas analisadas só tocaram no tema na terça-feira (02), em adesão à campanha BlackoutTuesday, movimento global em que personalidades e empresas publicaram imagens totalmente pretas em apoio aos protestos antirracismo nos EUA e em países no mundo todo. Outras marcas – estrangeiras que têm atuação no Brasil – se manifestaram citando, inclusive, o nome de João Pedro, caso da Netflix.