Se Jordan assinasse com a Adidas, o Top Ten Hi poderia ter sido a grande silhueta da história?

Se Jordan assinasse com a Adidas, o Top Ten Hi poderia ter sido a grande silhueta da história?

Por RODRIGO DHAKOR

Acredito que todos os fãs de basquete do mundo estão sintonizados nesse período e acompanhando toda a semana os episódios do documentário de Michael Jordan e seu vitorioso Chicago Bulls, "The Last Dance".

Entre todas as diretrizes e condicionantes adotadas pelo astro do basquete em sua carreira e fora dela, talvez uma das maiores perguntas que se passa em sua cabeça (e na minha) seja: "E se Michael Jordan tivesse realmente assinado um contrato com a Adidas ?". 

No pré-início de sua carreira profissional, Jordan sempre teve em mente o intuito de assinar contrato com a marca alemã, pois preferia o ponto de vista e os atributos de desempenho da marca, enquanto a Nike ainda era apenas uma marca esportiva promissora e se desempenhava no atletismo. 

Mas, como a própria série detalhou, sua mãe, Deloris Jordan, o convenceu  a pelo menos ouvir o que a marca do Swoosh tinha para lhe oferecer, e já sabemos de toda a história.

Agora, imaginamos se após aquela reunião, Jordan escolhesse levar o seu talento usando os calçados da marca alemã, o que ele teria usado nas quadras, apresentado nos comerciais, quais designers trabalhariam com ele durante seus anos de glória na NBA e qual silhueta seria criada para ele (se é que a Adidas pensava nisso) e seria um clássico até hoje? 

Na época, a Adidas tinha como grande popularidade no basquete a silhueta Top Ten Hi, especialmente a colorway "White Red" ou "Power Red". Um tênis de cano alto com base branca e Three Stripes vermelhas que casava perfeitamente com as regras de uniforme da NBA e com as cores dos Bulls.

(Foto Adidas)

Mas e então, haveria uma boa chance da silhueta ter se transformado em clássicos chamados Adidas Top Ten Hi "Banned" e/ou Adidas Top Ten Hi "Chicago" ?

São coisas que nunca conseguiremos saber, talvez nem o próprio MJ e nem mesmo a Adidas podem nos dimensionar tal pensamento. Fato é que, independente disso, Michael Jordan certamente jogaria o máximo para ser o que é hoje, o maior da história.

Fica aí um bom papo para se debater em uma roda de amigos ligados no mundo dos tênis.