Supreme responde ao processo por ter violado direitos autorais de estampa

Supreme responde ao processo por ter violado direitos autorais de estampa

Por Felipe Bichara

Por Matheus Castro

Em novembro de 2019, surgiram as notícias de que a Supreme foi objeto de processo movido pela ASAT Outdoors em relação a uma estampa de camuflagem tribal impressa na coleção Outono / Inverno 2019. Na segunda-feira passada, representantes da identidade corporativa da marca, Chapter 4 Corp., entraram com resposta em um tribunal federal de Nova York que negou todas as reivindicações de direitos autorais. A Supreme também diz que está protegida de acusações de violação devido a várias defesas, incluindo o "uso justo".

 A Chapter 4 Corp. admitiu que a Supreme não licenciou o design da estampa camuflada diretamente da ASAT, mas nega irregularidades e parece sugerir que a ASAT não criou a impressão, mas a adquiriu de outra empresa. A "The Fashion Law" afirma, no entanto, que isso não significa que a ASAT não tenha direitos exclusivos sobre a estampa e tenha o direito de processar por uso não autorizado. Ela também afirma que reivindicar "uso justo" normalmente pertence a propósitos "limitados e transformadores" que "comentam, criticam ou parodiam". Não está claro como o uso do tecido pela Supreme faz alguma dessas coisas.

A Chapter 4 supostamente pede que a reclamação seja julgada improcedente, pois a ASAT aparentemente não sofreu danos pelo uso da impressão pela Supreme e solicita à ASAT que cubra todas as taxas legais relacionadas ao caso.

               Jaqueta ASAT                                                                Jaqueta Supreme