Startup quer nacionalizar tecnologia de testes rápidos

Startup quer nacionalizar tecnologia de testes rápidos

Por RODRIGO DHAKOR

Uma startup da área da saúde, incubada no Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), pretende nacionalizar a produção de testes rápidos para doenças infecciosas, entre elas a COVID-19, Dengue, Zika Vírus e Febre Chikungunya.

O projeto que prevê uma plataforma para transferência da tecnologia de produção destes testes diagnósticos para o Brasil é da Famivita, e foi aprovado no mais recente edital da Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec).

Atualmente, sete startups desenvolvem suas tecnologias com o apoio da Intec. São soluções tecnológicas inovadoras nas áreas de sustentabilidade; saúde e diagnóstico; energias renováveis; cosméticos; educação digital e sistema de gestão (ERP), selecionadas por meio de chamada pública permanente.

O diretor-presidente do Tecpar, Jorge Callado, salienta que a pesquisa, desenvolvimento, produção e distribuição de produtos para a área de saúde estão entre os objetivos do Tecpar como empresa pública. O instituto também colabora na pesquisa e desenvolvimento de medicamentos sintéticos, biológicos e biotecnológicos de interesse do Sistema Único de Saúde (SUS), e de produtos veterinários.

"Com as expertises do Tecpar como laboratório público e fornecedor para o Ministério da Saúde, a incubadora vem recebendo propostas de interessados em receber apoio para conhecer esse mercado e poder oferecer seus produtos ao setor público", afirma Jorge Callado.

No atual momento, estuda-se sobre a infraestrutura necessária para produção nacional do produto, atendendo as regras da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A partir desse planejamento, a Intec irá auxiliar a empresa a identificar o melhor parceiro para a produção ao mercado nacional.

(Foto Getty Images)

A proposta inicial é produzir o teste rápido para Coronavírus, para ajudar no controle epidemiológico na pandemia, seguido de outros testes rápidos que sejam de interesse do Sistema Público de Saúde. Além do abastecimento do mercado, o projeto prevê grande impacto financeiro, já que o domínio nacional da tecnologia e a produção sem intermediários reduziria drasticamente os custos com testes diagnósticos no país.

O projeto da Famivita será desenvolvido em cooperação com a área de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) do Tecpar, afim de incluir produtos para infecções locais ou outros tipos de testes para atender a demanda do Sistema Único de Saúde.

Ainda não há nenhuma previsão de início.