Prada Outuno/Inverno 20: um desfile sobre encontrar esperanças num mundo caótico

Prada Outuno/Inverno 20: um desfile sobre encontrar esperanças num mundo caótico

Por Felipe Bichara

Por Matheus Castro 

Na praça inspirada por Giorgio de Chirico da Prada, o público espiava o cenário como se estivesse em uma praça da cidade, vista da janela do primeiro andar. Uma quase-estátua de um cavalo tomava o centro - daquelas encontradas em alguma cidade italiana, símbolo em forma de arquétipo do poder da masculinidade. Com exceção de ter sido feita com duas peças bidimensionais encaixadas juntas. 

As possibilidades para metáforas são infinitas. Uma meditação da masculinidade em crise e que precisa ser cuidadosamente refeita? Talvez os arcos angulares iluminados de vermelho, o surreal piso lilás e pistache fossem uma cifra para a destruição da natureza? Poderia ser sobre a anonimidade da globalização versus a localidade? 

"Deixe-me dizer qual é o objetivo deste show", esclareceu Miuccia Prada: "Na grande - não na confusão - mas na complicação do tempo atual, entre o mundo dar errado ou melhorar, a discussão sobre sexos, a sobrevivência ou não… pensei em dar uma indicação de que a única coisa que me faz calma, relaxada e otimista é dar valor ao trabalho ... dar valor às coisas que importam em sua vida e em seu trabalho. E assim, a criatividade é misturada com tecnicismos, um pouco semelhante ao período secessionista, quando ideias, criatividade e trabalho real tinham que estar todos juntos. ”

Portanto, a coleção foi um novo tipo de realidade executiva; reais workwear para trabalhos de ter orgulho. Se o cenário era uma praça, ponto de encontro no centro da cidade, o final embaralhado (pense numa estação de trem na hora do rush) deixou claro que era uma multidão eclética ao seu próprio passo e ritmo. Havia modelos com três peças sobrepostas, ombreiras, maletas e pastas que personificavam o dress code de 9h-17h dos escritórios. 

Havia diversas malhas com tríceps, suéteres de cashmere sem mangas e cardigans com camisas e gravatas por baixo (treino pós-trabalho?). Havia bastante alfaiataria de color-blocking e blusas inspiradas na Secessão. Havia até modelos em casacos de patente usando botas de pescador. E a maioria das calças vinha com tiras de estribo daquelas usadas em cavalos. O objetivo é se vestir para o trabalho que você quer, senhores. Um que você fará com cuidado.

 

Não é sempre fácil e requer muito esforço, como explica a Sra. Prada. A preocupação com o trabalho, achar as melhores soluções para os problemas e dar o melhor de si todos os dias é exaustivo. Ela oferece a própria experiência como designer de moda na era da mudança climática, crises de ansiedade por exemplo, e os esforços dedicados pela sua empresa a melhorar o nylon e reduzir o desperdício. 

“Em nossa empresa, toda vez que faço algo, todo mundo pergunta: 'Mas é sustentável?' É incrível como, em apenas um ano, tornou-se uma maneira normal ... Torna-se normal - e isso é melhor.” Ela falou sobre como é mais caro produzir algo ecológico do que não produzir - exige a mesma “criatividade e tecnicidade” que ela mencionou. Seu conselho para os jovens hoje? “Quero dar uma esperança de que, neste mundo caótico, se você fizer bem o seu trabalho, emparelhado com inteligência e cultura, valorizar e cuidar dos objetos e não apenas jogá-los fora - já é algo, você está em boa situação . ”

Confira abaixo o desfile de Outuno/Inverno 20 da Prada: