Brasil testa blockchain nas eleições e pode usar a tecnologia

Brasil testa blockchain nas eleições e pode usar a tecnologia

Por RODRIGO DHAKOR

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) testou nas eleições municipais do último dia 15 de Novembro diversas inovações para modernizar o sistema eleitoral brasileiro no âmbito do programa "Eleições do Futuro". Dentre elas, a Blockchain.

Uma das soluções foi a de voto digital com blockchain desenvolvida pela OriginalMy, startup sediada na Estônia fundada pelo brasileiro Edilson Osório Junior.

Mais especificamente, o protocolo Hääl (voz em estoniano) é um sistema de votação eletrônica anônima em blockchains públicas.

Osório explicou que a ideia do Hääl veio para solucionar um problema na votação dos acionistas remotos de uma multinacional. Como essa votação acontecia através de votos em papel, quando a empresa precisou recontar os votos, houve um custo extra de U$ 60 milhões.

Assim, a solução de votação digital foi criada para reduzir esse custo, mas também promover mais transparência, segurança e auditabilidade.

No que diz respeito aos testes do TSE, Osório explicou que a ideia era reproduzir o voto em urna eletrônica, tradicional do Brasil, no ambiente digital. 

(Foto OriginalMy)

Nesse sentido, a ferramenta é capaz de atender às premissas de voto secreto e computação do resultado da eleição. Isso porque os votos são criptografados e o sistema pode somá-los sem precisar revelar o conteúdo. 

Dessa forma, apenas o resultado final pode ser descriptografado e aberto para auditoria e consulta. Ao mesmo tempo, há uma espécie de “embaralhamento” dos votos para que eles não sejam vinculados à identidade do eleitor.

Para isso, a solução usa a tecnologia Stealth Wallet, criada por Peter Todd, que permite ao eleitor votar por meio de uma "nova identidade" criada por um contrato inteligente.

A solução ainda conta com um protocolo de criptografia avançado chamado zero-knowledge proofs, ou provas de conhecimento-zero.

Essa tecnologia permite comprovar o voto sem revelar seu conteúdo, através da emissão de um recibo.

Osório também destacou que o Hääl tem a proposta de ser uma solução open source. Ou seja, é possível verificar qual é o código-fonte utilizado na infraestrutura do sistema eleitoral. Diferentemente do que ocorre atualmente com as urnas eletrônicas. 

Com isso, o argumento de que os votos podem ir para outro candidato por uma alteração do código-fonte da urna é invalidado.

A solução desenvolvida por Osório funciona da seguinte forma: primeiro, o eleitor valida sua identidade e, assim, é criada uma sessão de voto.

Então, ele pode fazer o seu voto que será criptografado e registrado em blockchain.

O sistema faz a contagem desses votos criptografados e fornece o resultado final. Esse resultado só poderá ser descriptografado com um conjunto de chaves distribuído. 

Por fim, a auditoria do sistema pode ser feita a qualquer momento e em qualquer fase do processo.


✔️ Produto adicionado com sucesso.