Conheça a Nomofobia, a doença ligada à dependência da tecnologia

Conheça a Nomofobia, a doença ligada à dependência da tecnologia

Por RODRIGO DHAKOR

A pandemia está fazendo com que as pessoas usem cada vez mais equipamentos eletrônicos, como computadores e celulares, por esses serem uma das únicas formas para manter o contato com amigos e familiares durante o período de isolamento social.

O uso de dispositivos tecnológicos tem suas vantagens, mas o exagero pode prejudicar a saúde e levar ao desenvolvimento da doença conhecida como Nomofobia.

Essa fobia é caracterizada pela dependência patológica das tecnologias, de acordo com Anna Lucia Spear Kingpsicóloga e coordenadora do Laboratório Delete-Detox Digital e Uso Consciente de Tecnologias do Instituto de Psiquiatria da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

"Para desenvolver Nomofobia, a pessoa deve ter algum transtorno primário associado, como ansiedade ou depressão,  o que potencializa o uso desses dispositivos tecnológicos", destaca a especialista.

A psicóloga ressalta também que pessoas já diagnosticadas com fobia social têm maior tendência de desenvolver esse medo patológico de ficar longe das tecnologias, aproximando-se ainda mais de um dispositivo específico.

(Foto: Getty Images)

"Pacientes com fobia social ficam ainda mais dependentes de computadores. Isso porque ele serve como escudo de proteção para que vença a vergonha e, com isso, se sinta mais confiante e socialmente mais participante, uma vez que contatos presenciais podem causar estresse", afirma a coordenadora do Delete.

Pessoas que começam a desenvolver a Nomofobia apresentam sintomas físicos como suor excessivo quando não possuem contato com os aparelhos eletrônicos, além de problemas na coluna, articulações e visão, esses sendo caracterizados por conta da pessoa não conseguir ficar sem mexer no celular.

Os pacientes diagnosticados com essa doença também começam a apresentar sintomas emocionais e até sociais, como problemas relacionados ao sono, que podem afetar atividades diárias, acarretando até na perda da concentração e da memória.

Vale ressaltar que o uso excessivo de redes sociais e aplicativos na internet não necessariamente caracteriza a Nomofobia. "Há uma diferença entre as pessoas que usam muito as tecnologias, para aquelas que realmente possuem essa doença. No primeiro caso, é a falta do uso consciente", afirma a especialista.

"A efeito de comparação, nem todo mundo que bebe vai desenvolver o alcoolismo. Deve existir alguma tendência ou transtorno primário para que os sintomas dessa doença possam começar a ser notados no indivíduo", completa a psicóloga.

O Delete faz esse tipo de diagnóstico para poder, posteriormente, tratar das pessoas que possuem a fobia de ficar longe dos aparelhos eletrônicos. Anna destaca que, a partir do momento que é possível notar que o paciente desenvolveu a doença, inicia-se um tratamento do transtorno de origem, que pode ser a depressão, ansiedade, compulsão, fobia social ou transtorno do pânico.

Em relação à prevenção contra essa fobia, a psicóloga orienta que as pessoas precisam primeiro saber se sofrem de algum transtorno que pode potencializá-la, mas que, de maneira geral, todos necessitam ficar atentos cada vez mais à maneira como estão usando smartphones, tablets e computadores.

 


✔️ Produto adicionado com sucesso.