Facebook deseja criar inteligência artificial capaz de ajudar a se lembrar de tudo

Facebook deseja criar inteligência artificial capaz de ajudar a se lembrar de tudo

Por RODRIGO DHAKOR

Facebook anunciou recentemente uma nova pesquisa de inteligência artificial que pode revolucionar o uso da tecnologia, e que pretende ajudar os usuários a se lembrarem de (quase) tudo.

O objetivo da inovação é ajudar as pessoas a encontrarem objetos perdidos dentro de casa e identificar se a pia está cheia de louça e até se o café está com açúcar. 

Para isso, os pesquisadores vão treinar os sistemas de inteligência artificial com "sons do mundo real" (similar aos que ocorrem dentro de casa) em espaços tridimensionais virtuais. Com isso, o assistente virtual poderá ajudar o usuário a rastrear o som do celular perdido em outros cômodos da casa. 

Além disso, o Facebook também revelou uma ferramenta de mapeamento interno destinada a ajudar os sistemas de IA a entender melhor e lembrar detalhes sobre os espaços internos, como quantas cadeiras há em uma sala de jantar ou se uma xícara está em um balcão.

(Foto Getty Images)

Isso não é algo que você pode fazer com a tecnologia de hoje. Os assistentes virtuais não podem "ver" o mundo ao seu redor, e os computadores não são tão bons quanto os humanos em se orientar em espaços internos.

Mike Schroepfer, diretor de tecnologia do Facebook, espera que este trabalho, embora esteja em um estágio inicial, possa eventualmente contribuir com outros produtos, como um par de óculos inteligentes. A tecnologia poderia te dizer desde onde você deixou as chaves até se você já adicionou açúcar no café. 

"Se você pode construir esses sistemas, eles podem te ajudar a se lembrar das partes importantes de sua vida", disse Schroepfer em uma entrevista sobre a visão da empresa para o futuro da Inteligência Artificial.

O desafio será convencer as pessoas a confiarem no Facebook para desenvolver a tecnologia que pode se tornar profundamente enraizada em suas vidas pessoais, depois de anos de polêmicas sobre privacidade na plataforma. Além disso, para transformar esses sistemas de IA no tipo de máquina de memória que Schroepfer imagina, o usuário teria que usar um par de óculos de realidade aumentada com sensores.   

"No final do dia, nossa esperança é que esses óculos de Realidade Aumentada estejam dando superpoderes às pessoas", finalizou Schroepfer.